terça-feira, abril 25, 2006


Neurose - do Gr. neûron, nervo
s. f., -- perturbação mental ou emocional, cujos sintomas se manifestam por um comportamento obsessivo, tal como raiva excessiva, medo, ansiedade ou ódio sem razão aparente.


Perturbada o cacete!
Queria viver vida de balada, só isso. Pois cada vez que eu saio só encontro motivos para não ir trabalhar no dia seguinte. Impossível não beber alguma coisa para acompanhar o entorpecimento emocional que a música causa. Daí no meio daquele bando de imbecil que vem me xavecar sempre aparece algum que presta. Beijos diversos depois e muita música e muita bebida e muita diversão chega a hora de ir embora, dormir duas horas, tomar aquele banho gelado para tentar deixar uns dois ou três neurônios ativos e ir pro trabalho. Olhar pra cara daquele povo péssimo, mal humorado, que odeia a própria existência mas não faz porra nenhuma pra mudar. Odeio todo mundo lá. Principalmente o idiota do meu chefe que acha que é o bambambam e fica olhando toda mulher que passa de saia na frente da baia dele. Tipo, acorda! Se liga! Se eu der bola pra você o que você vai fazer? Rolar e dormir em vinte minutos? Que saco! É que nem cachorro correndo atrás de carro: quando alcança faz o quê?! Nada! Não que todos eles tenham feito algo contra mim, mas como me irrita essa galera com suas rotininhas padrão e nada de interessante pra contar. Odeio todos eles. Odeio o ócio, e principalmente a ociedade inerente dos rotineiros.

Sabe? Queria um homem de chocolate. Seria um adicional interessante ao hobby de roer unhas e passar a mão no cabelo. Não por motivos específicos, só queria um. Morro de medo de morrer sozinha. Tenho síndrome de Peter Pan e acho isso legal. Envelhecer suck! Por exemplo acabou a balada. Fala sério, mulher de mais de quarenta dançando é uma "tia doida" na pista. Ridículo. Total. Inclusive os homens precisam fazer alguma coisa a respeito da própria imagem. Boné ou toca + bermuda + camiseta de dez reais não rola. Sinto pena do ego feminino daquelas que caem nesse tipo de desespero. Esse tipo de embalagem já mostra a completa inadimplência intelectual. Nada vai vir de bom dalí. O máximo que você pode esperar é um "Fala garota!" em substituição pelo usual "E aí mina?". Patético. Odeio frases feitas, odeio fim de balada. Vou morar num daqueles países que a noite dura 3 meses. Isso sim é um after hour. Daí os próximos três eu passo dormindo pra me recuperar. Melhor do que ficar sentada nessa mesa estúpida olhando prum computador estúpido fazendo coisas estúpidas para conseguir uma miséria estúpida que paga a balada. Não vejo a hora de dar cinco horas e cair fora daqui. Daí não vejo a hora de chegar quinta pra cair na gandaia pública e sexta pra alguma festa particular. Pra que esse monte de mulher compra roupa se não sai de casa? Pra ficar bonita pro namorado!? Se liga. Mentira! Mulher se faz bonita pro mundo, nunca prum cara só! Mulher mesmo não dá pra ninguém a não ser pra ela mesma. Dá oportunidade de intercurso. hehe.

To pirando a cada dia que passa com essa sequência de asneira que eu escuto sair da minha boca. Mergulhando cada vez mais fundo num lago amplo de hipocrisia e mentira atrás de mentira. Desse mundo merda que todo mundo vive cheio de violência e tragédia na TV, jornal, enfim, na mídia toda. Encher a cara e esquecer do mundo. Viver no intervalo de uma batida eletrônica. Não ver a hora. Não vejo a hora. Digita, linda, digita que o tempo passa. E entre uma violenta mudança de humor a cada hora, pensa em sexo, pensa em música, pensa em roupa, pensa em vida. Pois o mundo não tá nem aí pra você se você estiver aí pro mundo.

Written By: Verônica Prata

3 comentários:

Marta Najjar disse...

Como já disse...Isso é TÃO Sex and the city!
Espero que isso não seja doença.
Prefiro acreditar que você e o Chico Buarque têm útero.

GABI disse...

ISSO É SIMPLESMENTE TUDO!

Lady disse...
Este comentário foi removido pelo autor.