segunda-feira, maio 31, 2010


Eu saio do Shopping Paulista com três sacolas de coisas que eu comprei por nenhuma razão aparente, só para me sentir menos revoltada com a vida, mesmo sabendo que a fatura do cartão no mês que vem vai ser uma foda mal dada, tentando equilibrar a sensação de querer matar todo mundo até descer pra mim, quando, óbvio, dou de cara com ele. O puto estava de tênis claro, calça jeans clara que eu dei pra ele e uma camisa branca jogada no corpo, do jeito que eu amo de paixão, com aquela cara alegre, como se ele fosse o único filho-da-puta feliz no mundo.

-Ei! Nossa, tudo bom? - pergunta ele, em genuíno espanto, abrindo aquele sorriso torto dele, iluminando tudo num raio de três metros. Que ódio. Eu queria largar as sacolas e colocar minha língua na boca daquele maldito.

-Oi! Que surpresa. Tudo bem? - respondi sorrindo - O que anda fazendo de bom?

-Nada de novidade. Trabalhando, pagando o aluguel, saindo muito pouco. Curtindo mais ficar em casa.

Maldito. Ele fala isso só pra me fazer me sentir uma vagabunda por ter arrumado um outro namorado três meses depois de a gente ter se separado. Mas o que ele queria que eu fizesse? Ficasse sozinha? Claro que não vou fazer a vontade dele. A última coisa que eu precisava era que ele arrumasse uma piranhazinha qualquer e eu fosse obrigada a ver os dois de carinho pra lá, beijinho pra cá.

-Ah, imagino. Eu também. As coisas estão muito bacanas. Fui promovida. E... enfim. Está tudo bem.

-Que gostoso. Fico feliz em saber que você está bem. E pelo visto ganhando bem também - e ele dá uma risadinha deliciosa, como se estivesse me provocando. Ele sabe. É claro que ele sabe que eu compro coisas quando to me sentindo uma merda. Ele tem que saber. Apesar que se ele tiver o mesmo déficit de atenção que tinha antes é capaz que não saiba mesmo. Cacete, eu devia ter tido mais paciência. Não devia ter terminado com ele por besteira. Quer saber? Devia sim! Eu mereço um cara que me dê atenção full-time. Ele só podia ser menos charmoso nessa simplicidade arrogante, que ódio. Por que ele sorri desse jeito e trata a vida como se fosse uma brincadeira? Não. Eu preciso de um homem, sério, que me leve a sério, que queira crescer junto comigo, não um garoto super engraçado e charmoso e que cada vez que sorri eu quero morrer no colo dele.

-Sim, he he he. - dou uma risada sem graça, enquanto sinto meu coração querer vazar pela boca. - Vamos inclusive viajar para a Califórnia em outubro.

-Ah, que bacana. Eu quero muito conhecer a Califórnia, você lembra. Pena que não sou eu do seu lado. Mas, é a vida. Tenho certeza que vocês vão se divertir bastante.

E por que raios ele sorri? Ele tinha que estar todo meloso, pedindo desculpas! Não falando que queria que eu me divertisse! Saco! Por que diabos ele é tão complacente!? Por que diabos ele não me agarra pela cintura, me beija daquele jeito e briga por mim?! Tá vendo por que eu me separei dele? Ele não luta pelo que ele quer! E fica insinuando que queria estar comigo mas a primeira surtadinha que eu dou ele é complacente? Poxa, dá na minha cara e manda eu parar quieta! Quer saber? Se eu estou com outro cara, mesmo que não seja metade dele, é por que ELE deixou que eu fosse. É por que ele não soube me manter. Estou bem. Posso não estar acordando todo dia com esse sorriso maldito mas estou bem. É a vida mesmo, seu infeliz.

-Eu lembro sim. Mas não se preocupe, você vai um dia com alguém especial.

-Eu não me preocupo, pode ter certeza. Mas não tenho pressa. Afinal, ainda preciso conhecer essa pessoa especial.

Ahhhh, você está de brincadeira comigo que ele vem falar que "ainda precisa conhecer essa pessoa"! E eu então não fui especial na sua vida, cretino? É isso que ele tá insinuando? Não é a toa. Quer saber? Melhor decisão da minha vida terminar com ele. Eu falo que ele ainda vai conhecer alguém especial e ele me fala algo diferente de "você é minha pessoa especial" ele merece ficar sozinho mesmo. Solteiro. Saindo com qualquer vagabunda de fim de semana só pra não ficar mofando em casa. Quer saber? Chega.

-Espero que você esteja bem mesmo, Caco. Mas eu tenho que ir agora. Atrasadérrima.

-Ok, foi bom te ver. Bom saber que você está bem. Beijo.

Impossível. Ninguém pode ser tão apático. Eu chamo ele pelo nome carinhoso que eu chamava e ele não esboça nenhuma reação? Que diabo é esse? É isso mesmo! Fiz certo em terminar com ele. Falo que estou atrasada e ele não vem com nenhuma desculpa para tentar me manter alí, percebem? Ele não saca as coisas que eu quero. Nunca sacou. Ou talvez ele saiba que eu esteja indo para casa ficar sozinha esperando paciente o outro infeliz chegar com aquela cara de "nossa, trabalhei demais hoje". Não. Ele não sabe. Ele não é para mim. Ele se foi e passado é passado. A única coisa que realmente me incomoda, que me tira do sério é essa vontade de chorar que eu não sei da onde veio.

Written by: Verônica Prata

4 comentários:

Patricia disse...

E viva o descompasso.

A. disse...

hu-ray! o/

Dominick Van Shelley disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
ffxiv disse...

FFXIV Gil,Buy FFXIV Gil,FFXIV Power Leveling,FFXIV Gold,Tera Gold,APB Cash,Eudemons Eps,C9 Gold,Dragonica Gold,Last Chaos Gold,Buy FFXIV Gil,Sell all kinds of game gold, welcome to visit website Orderwww.wowlv.com.