terça-feira, setembro 05, 2006

Quando ele viu uma garota tão bonita chorando no canto escuro da balada, não teve dúvida. Ajeitou-se dentro do terno que usava e foi tirar proveito da situação, tomando para si a oportunidade de consolar uma mulher que provavelmente havia acabado de brigar com o namorado e estava fragilizada, sentimental. Chegou perto em passos seguros e disse em sua voz mais profunda.
-Não fica assim, gata. Não chore por um qualquer. Aposto que ele não prestava.
Ela olha indignada para ele:
-O QUE?! Do que você tá falando idiota? Meu pai acabou de morrer!!
-Bom, err... desculpe, não sabia. Mas veja, pelo menos você tem a sua mãe!
Ela chora mais forte e grita em espasmos:
-Minha mãe abandonou a gente quando eu era pequena!!!
-Nossa, que foda, desculpa. Tente ver o lado bom das coisas!
-Que lado bom?! Não sei o que vou fazer da minha vida agora!! Estou perdida!
-Tudo tem um lado bom! Por exemplo, você não é tão horrenda quanto aquela mina ali.
-Cara!! Não fala assim! É minha irmã!! Qual é o seu problema!?
-Meu deus! Sério? Mas ela não parece com você em nada!
-Meus pais adotaram ela quando era pequena. Acharam que não podiam ter filhos.
-Ah é? E como você nasceu? Inseminação artificial? hehehe...
-Tá rindo do que?! Inseminação foi um milagre pra mim!!
-Tá brincando comigo! Acho que não consigo dar mais foras do que hoje! Só falta sua irmã não saber que é adotada e eu contar pra ela.
-COMO ASSIM EU SOU ADOTADA!??!!? - grita a irmã que estava vindo ver porque a outra estava chorando.
-Er... o que?! Quem?! Oh céus... desculpa.
-Meu!! Sai daqui!! Você tá arruinando minha vida!! - diz a primeira.
-O que você fez pra minha irmã chorar seu idiota!? - pergunta a irmã.
-Não fui eu! Ela tá chorando pelo lance com o seu pai! - defende-se o cara.
-QUE LANCE!? O que aconteceu com o papai?! - pergunta a irmã.
-Er.. é que... hmm... seu pai subiu no telhado. - tenta consertar.
-Seu doente!! Vai embora!! Segurança!! Seguraaaaaança!!
-Não calma! Um par de crioulo musculoso não vai te fazer parar de chorar!
-Tá menospresando minha cor ô muleque? - diz o segurança muito bravo atrás dele.
Ele suspira fundo e olha para as duas, gritando e xingando e chorando na frente dele. Sente a respiração do segurança na sua nuca. Para evitar maiores constrangimentos ele decide acabar logo com aquele momento embaraçoso. Quando a música entra em fade ele grita pro DJ:
-TOCA ANA JÚLIA!!!

Então veio o estrondo. Daí o silêncio.

5 comentários:

edson disse...

No melhor estilo Joselito :)

Cybermov@ disse...

Patricamente um Tchello....

Anônimo disse...

é....conheço alguém assim...

Detsaw disse...

Isso que eu chamo de jogar adubo numa turbina de boeing...

Lady disse...
Este comentário foi removido pelo autor.